A manicure Cristiane Oliveira, de 46 anos, conhecida por passar o réveillon com a família dentro do ônibus para acompanhar o pai de seus filhos porque o cobrador Jorge Cesar, de 50 anos, foi escalado para trabalhar durante a virada, continua a busca pelo pai dela. A dona de casa que mora com o marido e dois filhos decidiu passar uma virada de ano diferente porque quer sempre a família unida e os filhos sempre perto do pai, convivência que ela não teve com o pai biológico. Cristiane dispensou um convite para passar o réveillon em Rio das Ostras, na Região dos Lagos, no Rio de Janeiro.

A manicure que classificou a virada de 17/18 como a melhor da vida depois de tanto sucesso que a história da família dela vem causando na internet disse que optou por passar o réveillon dentro do ônibus porque sempre quis a família unida. “Sempre pedi a Deus um marido bom e que cuidasse dos meus filhos. E ele mandou.”, explica se referindo a ter seu pedido atendido.

A busca pelo pai vem desde muito nova. A mãe dela, Maria Lídia Santos, trabalhava e morava em casa de família no bairro da Tijuca, zona norte do Rio de Janeiro, local que Cristiane nasceu. A mãe dela conheceu João Caminhoneiro que morava na Paraíba, mas que trabalhava transportando cargas. Em algumas de suas viagens ao Rio de Janeiro, seu João – pai de Cristiane – conheceu Maria Lígia. Até então a mãe dela sempre contou a Cristiane que não sabia que o pai dela tinha família e que só descobriu depois que engravidou. Maria Lígia dos Santos não está mais viva.

Cristiane e a mãe, Maria Lídia Santos. Foto: Arquivo pessoal.

Cristiane só soube que o pai que ela tinha como biológico na verdade era o padrasto, após sair de casa por ter brigado com a mãe quando tinha 13 anos. Mas o pai (no caso padrasto) já tinha se separado da mãe dela quando ela tinha oito anos. Ao ir morar com o pai (que era na verdade padrasto), em certo momento a suposta madrasta conta para Cristiane a verdade, então ela foi saber da história com a mãe que pouco contava sobre o verdadeiro pai dela. Então as informações que ela tem sobre os familiares são poucas.

“A única coisa que sei é que meu pai biológico era da Paraíba, tinha família e outros filhos. Sei que quando eu nasci, depois minha mãe que contou (ao descobrir sobre o verdadeiro pai) que meu pai queria tomar de minha mãe para me criar, foi quando fugiu dele e não soube mais notícia.” relata a manicure Cristiane Oliveira.

Sobre lembranças da infância, Cristiane relata que “não tinha nome de pai no registro, nem na chamada na escola. Hoje o Senhor (se referindo a DEUS) já me curou disso, mas eu tenho a esperança de encontrar meu pai ou saber como ele está”.

A busca pelo pai dela se justifica “porque eu sempre tive uma crise de identidade por isso. Só conheci parente apenas minha mãe. Tenho o endereço da minha suposta vó na cidade de Aracaju (SE).” Explica ao querer saber de sua árvore genealógica. Ela queria montar o quebra cabeça de vida dela e por isso ela estimulou a passagem de ano todos juntos. “Quando eu descobri a verdade (meu pai – no caso o padrasto – não ser meu pai) então eu tive para mim que quando eu me casasse, eu queria dar um pai aos meus filhos e viver com esse homem pro resto da vida para meus filhos não passarem pelo que eu passei.”

No vídeo, postado no facebook, ela justifica o motivo de procurar o pai. Assista.

Em entrevista ao blog, disse que está casada há 25 anos, completos em 25 de dezembro, e disse que o marido dela enquanto pai é “guerreiro e trabalhador. Em primeiro lugar é Deus na vida dele e depois os filhos”. Por estar trabalhando, não conseguimos conversar com o homenageado do réveillon.

Ao todo são três filhos gerados e um que ele já tinha. Os que passaram a virada do ano juntos foram os que moram com o casal: Jhonas Leonardo, 21 anos que é noivo e a irmã dele, Jhoicyane Christyna, de nove anos. Os outros dois mais velhos são casados e passaram com suas famílias. A história que eu e meu esposo construímos ao longo do tempo também tem uma história bonita de superação e cura. Tive um derrame há dois anos e meu marido cuidou muito de mim. Ela disse que mesmo que tenham esse tempo de casados, mas essa fase boa tem sido de cinco anos para cá porque como toda família de verdade tem altos e baixos que eles passaram até “a gente encontrar Jesus”, deixa destacado em sua fala.

A história se repete – O filho de Cristinane, Cesar Christiano, 23 anos, tem uma filha de três meses de um relacionamento de cinco meses. O pai quer registrar a filha e segundo Cristiane, a mãe sumiu com a criança. “Pelo visto teremos que acionar a justiça para que meu filho tenha a paternidade dele reconhecida. Não quero que a minha história se repita com minha neta”, fala a manicure. Não acionaram a justiça porque não sabem o endereço e dados de documento da mãe da criança.

Familiares – O nome da mãe de Cristiane, como já dito anteriormente, é Maria Lígia dos Santos. O nome dos avós maternos dela são: Manoel Messias dos Santos e Maria Pereira dos Anjos. A pouca informação que ela tem é a origem deles serem da cidade de Aracaju-SE. Um cartão de Natal datado de 1986 enviado pela amiga da mãe dela, Maria Francisca da Costa que na época residia (ou reside) na Avenida Constantino Nery, 2229, Bloco 11- 309, Conjunto Tocantins Chapada, Manaus – AM.