A saga de Aílton para cuidar de seu filho com paralisia cerebral

Entrevista

“Geralmente, quem ‘corre’ é o pai. Eu não condeno ela não. Prefiro me dedicar ao meu filho”. Esse é o sentimento de Aílton Valdevino, 36 anos, pai de Luan Henrique, 7. Em meio a tantas histórias de pais que abandonam seus filhos em busca de uma vida mais “light”, na fuga mesmo do trabalho árduo que é educar uma criança, nosso entrevistado foi quem ficou solitário na missão de cuidar do filho diagnosticado com paralisia cerebral. Leia também Tchau chupeta porque não sou mais bebê Mundo Bita lança ‘Matemagicamente’ em parceria com Casuarina Filme aborda uma relação conturbada de pai e filha “A médica disse que meu filho ia vegetar. Aí a mãe dele não aguentou”, conta Aílton, que viu sua esposa se mudar para o exterior após um ano de convívio com a paralisia. Desde então, Aílton abdicou de uma vida de lazer e bebedeiras pelas ladeiras do Ibura, na…