Conjuntivite não é uma doença que precisa de surto pra afetar crianças. O que quero dizer é que os pequenos estão sempre suscetíveis pelo simples fato de não terem controle sobre a vontade de coçar os olhos. Nós já conversamos sobre isso por aqui. Foi assim, que Clarice adoeceu novamente esta semana.

Com as mãos sujas de tanto brincar no chão, quando bate a hora do sono, a resistência ao fim da brincadeira é grande, mas a vontade de coçar os olhos é maior ainda. Por isso, é importante fazermos sempre a higiene das mãos e do rosto da criança, até porque não conseguiremos impedi-las de coçar os olhos ou por a mão na boca.

Outra coisa importante de lembrar é evitar que a criança contaminada vá à escola, porque lá ela pode transmitir o vírus ou bactéria para os coleguinhas.

À aparição dos primeiros sintomas, é bom procurar logo um oftalmologista para identificar o tipo de conjuntivite e saber o remédio mais adequado. Além disso, é importante lavar os olhos com bastante soro fisiológico. Em geral, a conjuntivite demora entre uma e duas semanas para passar.

Tipos

Infecciosa

Esse é o tipo mais comum e é contagioso. Normalmente, os sintomas são as lágrimas, a sensação de areia nos olhos, secreção e olhos vermelhos. Ele tem três subtipos.

Viral

Como o nome já diz, é transmitida por um vírus, mas não pelo ar, como muitos acreditam. Ela é transmitida através de contato com as secreções e de tosse e espirro da pessoa contaminada.

Bacteriana

É menos comum que a viral e mais perigosa também. É transmitida através de contato dos olhos com alguma bactéria.

Fúngica

Essa é mais rara e pode ser adquirida com uma pancada de madeira no olho.

Alérgica

Crianças e adultos alérgicos a ácaro e pólen estão suscetíveis a esse tipo e podem pegar junto com uma rinite ou uma asma. Mas há também casos de alergia a lentes de contato.

Tóxica

Essa ocorre quando os olhos entram em contato direto com algum produto químico, como produtos de limpeza, shampoos, inseticidas, etc.