Uma iniciativa para estimular o reconhecimento da parternidade de homens que estão no sistema prisional de adultos e internos da Funase será lançada nesta quarta (8), exatamente no Dia Internacional da Mulher. A campanha ‘Paternidade Além das Grades’ quer fazer com que os reeducandos que possuem filhos possam reconhecer os descendentes e legalizem a situação.

Os interessados no reconhecimento da paternidade devem fazer o procedimento entre os dias dias 27 e 31 de março, das 9h às 15h, com a participação de quatro estudantes de Direito e um defensor público durante o mutirão promovido pela Ordem dos Advogados do Brasil/PE.

Para os pais que desejem participar da campanha reconhecendo filhos e enteados que se encontrem em presídios ou unidades socioeducativas poderão comparecer à Universidade Salgado de Oliveira (Universo) ou ao Centro de Referência em Direitos Humanos Margarida Alves, no 6º andar da Prefeitura do Recife.

Aquele ditado que diz: “Pai é quem cria” cabe neste contexto porque os padastros com vínculos afetivos com os presidiários ou socioeducandos também poderão aproveitar a oportunidade para oficializar de maneira voluntária a paternidade dos enteados, o mesmo acontecendo em relação aos que estão cumprindo pena e desejam registrar enteados como filhos.

Os interessados deverão apresentar original e cópia da carteira de identidade e da certidão de nascimento do filho. Se o filho for maior de 18 anos também será exigida, além da certidão de nascimento do mesmo, o seu documento de identidade. Outras informações poderão ser obtidas pelos telefones 81.9.8531.1020 ou 9.9909.8958.

A campanha é realizada pela Ordem dos Advogados do Brasil e pela Associação Pernambucana das Mães Solteiras, contando com o apoio de diversas instituições e entidades. No caso da Funase, a unidade escolhida para ser beneficiada pela campanha foi a do Cabo de Santo Agostinho. Também serão atendidos o Complexo Prisional do Curado, o Presídio de Igarassu, a Colônia Penal Feminina do Recife Bom Pastor e o Cotel.

Escute também a matéria da repórter Jacielma Cristina.