Pais, mães e familiares devem ter SEMPRE em mente que a refeição feita de maneira descuidada pode levar a criança à obesidade. Estamos falando em saúde e não em estética. Cada um tem o corpo que desejar ter, mas a saúde em qualquer parte deste mundo é prioridade.

Muitos pais e mães confundem lanches com guloseimas e não planejam essa etapa fundamental para saúde da família e optam por refeições rápidas e em alguns casos perdem o controle do que os filhos estão consumindo. Dessa forma as crianças e jovens passam a consumir mais gorduras sem levar em consideração que o lanche é uma refeição tão importante quanto às demais.

Por ser uma refeição realizada cerca de 10 vezes por semana, o ato pode levar o aumento de peso e consequentemente a obesidade. Como esse alerta a gente disponibiliza traz uma entrevista e ao fim do texto você pode baixar um e-book com dicas da Luciana Nunes, nutricionista- especialista em nutrição materno infantil e Renata São Marcos, personal chef da Sane Kids.

Valentina e eu compartilhando de uma goiaba saborosa. Foto: Catarina Monteiro.

Qual a importância da criança levar lanche para escola?

As crianças passam boa parte dos seus dias na escola, portanto, oferecer uma lancheira criativa e saudável, com alimentos que oferecem os nutrientes necessários, é uma grande oportunidade de contribuir para a alimentação balanceada, ajudar no desempenho escolar e na formação de hábitos alimentares saudáveis.

O que deve conter na lancheira e o que devemos não colocar?

Na lancheira devemos ter uma fruta, as da estação e são sempre mais recomendadas, um carboidrato, uma proteína e um líquido, dando preferência à água. Diversificar a apresentação dos lanches é um dos aspectos que merece destaque. Sanduíches, frutas e biscoitos caseiros em formatos lúdicos são alguns exemplos de como tornar a lancheira criativa, sem monotonia e, com isso, aumentar a aceitação dos alimentos. Não devemos priorizar os alimentos industrializados e ultraprocessados, como biscoitos recheados, sucos de caixinha etc.

Que dicas você passa para pais e mães que têm rotina agitada e não conseguem planejar um lanche para os filhos?

Para unir a praticidade com a saúde, pode-se intercalar alimentos processados e industrializados com os preparados caseiros ou in natura. Essa é uma forma inteligente de compor a lancheira, mantendo a praticidade, o equilíbrio e a qualidade nutricional do lanche da criança. Porém, basta uma boa leitura dos rótulos nas embalagens escolhendo e comparando os com maior teor de fibras, menor teor de sódio, gordura, açucares entre outros.

Lanchonete em escola que não vende produtos saudáveis, como lidar com isso?

Acreditamos que o diálogo entre pais e escola pode ser uma porta para a venda de alimentos mais saudáveis. Se for um desejo dos pais melhorarem a alimentação dos seus filhos, a escola precisa estar atenta, e na medida do possível priorizar esta questão.

Existe época de dar chocolates e outros doces? A partir de quando é indicado e como moderar?

Lembramos que o açúcar está liberado, segundo o Ministério da Saúde, para crianças acima de dois anos. Não gostamos de terrorismo nutricional. O diálogo e a oferta de comidas saudáveis desde a infância faz com que a criança cresça com bons hábitos alimentares e não tenha tanto interesse por doces afins.

Quais alimentos são prioridade para um lanche saudável?

Frutas. A base de qualquer ‘lanchinho’ deve ter a fruta como prioridade. Seguidos de um bom carboidrato, como bolos caseiros, biscoitos caseiros entre outros.

Quando não tem tempo, como resolver um lanche rápido para ajudar na alimentação dos pimpolhos?

Não existe nada mais rápido do que descascar uma banana ou tangerina. Precisamos criar o hábito de desembalar menos e descascar mais. E colocar a saúde dos nossos filhos como prioridade. Outro aspecto é a organização. Podemos nos organizar com um lanche prévio semanal e aí já termos opções em casa até congeladas para essas crianças levarem para escola, facilitando a montagem da lancheira.

Como as mães podem fazer para chamar os pais (que ainda não despertaram para esse importante ato) também participarem desse momento da nutrição?

Existem formas muito legais de envolver os pais no momento do lanche. Se o pai não tem muita habilidade no preparo, pode levar o filho à feira, por exemplo, e lá apresentar a ele as frutas e verduras. Inserir a criança num contexto mais saudável vai estimular seu interesse. Devemos sempre lembrar que somos os espelhos dos nossos filhos.

DADOS  – É muito importante que os pais estejam conscientes de que a formação de bons hábitos alimentares precisa começar ainda quando seus filhos são bebês e continuar por toda infância, principalmente em casa e na escola, que são os locais onde a crianças passam a maior parte do tempo.

Atualmente, há evidências de que a alimentação inadequada durante a infância traz consequências importantes nas condições de saúde em longo prazo, podendo ser um dos fatores que justificam o aparecimento das doenças crônicas na idade adulta.

Para se ter uma ideia da importância de uma alimentação balanceada, dados alertam que 35% das crianças brasileiras estão com excesso de peso, e isso se deve ao consumo exagerado de biscoitos recheados, salgadinhos industrializados, sucos de caixinha, frituras e refrigerantes, sendo opções mais fáceis e rápidas, porém, muito prejudiciais aos pequenos.

E tem mais: o problema não se restringe somente a obesidade, pois a partir dela, podem surgir doenças como pressão alta e diabetes, além de complicações na saúde da criança.

Para baixar o material do e-book clique neste link e faça um prévio cadastro.

Mundo Bita – Para papar