Filhos crescem e rápido. Quando você menos espera é hora de colocar na escola. Isso mesmo. Aprender o novo, socializar e entender que a vida tem roteiro. Neste post, minha esposa Joana faz um relato de como foi o primeiro dia de aula de Valentina.

“Dia 4 de setembro (2017) foi o primeiro dia de aula de Valentina e a coordenadora da escola aconselhou que eu a levasse pois ela percebeu que o pai fazia todos os gostos. Rsrs… Um dia antes já comecei a ficar nervosíssima, com medo de chorar, de não saber agir da melhor forma, medo de falar alguma besteira pra ela.

Tudo isso porque ela é uma das pessoas mais importantes da minha vida e eu só quero o melhor pra ela. Por dentro tinha algo que gritava em mim dizendo: você tem que criá-la para o mundo e tem que fazer o que for melhor pra ela. Ela está crescendo e virando uma ótima pessoa como você sonhou. Estar na escola vai potencializar isso e ensiná-la a, além de muitas outras coisas, conviver com outras pessoas.

Procurei me preparar com pensamentos do tipo: Você escolheu uma ótima escola com ótimos profissionais, você orou para Deus estar com ela, ela vai se desenvolver muito mais, vai fazer amigos de verdade sem ser a Peppa, a Luna… e eu? Eu vou ficar aqui, sempre me anulando para que ela não tenha, mas seja o melhor que ela puder ser e quem é mãe/ pai de verdade sabe, que a gente não mede esforços para ver o sorriso dos filhos e por isso que é tão difícil deixá-la na escola chorando, querendo ficar comigo, querendo que eu estude na salinha dela.. rsrs… e eu disse pra ela que é tudo que eu mais queria. Passar o dia inteiro com ela e viver cada minuto. Mas a gente sabe que o mundo moderno consome a gente e pede que a gente passe mais horas trabalhando do que vivendo nossos filhos.

Só um longo desabafo, para dizer que no final das contas, eu não chorei no primeiro dia de aula de Valentina, eu chorei no dia 16 de outubro, quando mais adaptada, eu a vi me dando tchau com os olhinhos de lágrimas. Eu abri um sorriso e disse em pensamento: Fica com Deus meu amor. Quando cheguei no carro, chorei de orgulho do meu ‘docinho de coco’. Ela só tem 2 anos e já compreendeu que às vezes temos que fazer coisas que não queremos (me deixar ir), mas que é importante para nós e que vai nos fazer bem.

Na primeira semana de aulas dela, me organizei para passar a tarde toda lá, escondida na escola, para caso ela chorasse muito, eu estivesse por perto para acalmar. Mas nem precisou. Quando a peguei ao final da tarde, estava toda contente, contando o que fez. E após pouco mais de um mês frequentando o Colégio DOM, tem dia que não quer ir embora da escola. Já pensaram?! Oh bicho besta que é mãe e pai. Kkk…”

E nessas idas e vindas de agitação da rotina de trabalho, sempre a gente consegue organizar a escala com colegas que entendem a prioridade da família. Minha rotina eu não consigo nem levar, nem buscar e quando o horário é trocado eu solto fogos. Dá pra entender o motivo lendo esse meu relato no instagram.

Buscar os filhos na escola é uma função que pra muitos pode ser mais um dia, mas pra eu ir buscar Valentina é o dia. Como minha escala de trabalho não permite nem levar, nem buscar então no dia que consigo essa folga… velho… pra mim não tem agenda melhor. Me organizo com @joanabarrospersonal porque geralmente quem busca são nossos pais. E sempre gosto de entrar na sala e observar o que ela está fazendo e deixar que ela perceba a mim e a mãe. A carinha de alegria que ela faz ao nos ver é como um abraço de Deus. Não sei te explicar psicologicamente que efeitos isso tem, mas que nos deixa feliz isso eu digo de certeza. Você que é pai ou mãe ou até mesmo responsável por aquela criança (seja qual idade for) pratique mais buscar ela na escola. E no meio do caminho, a gente vem conversando, perguntando como foi o dia dela. Ela conta tudo. Isso mesmo. Ela tem 2 anos (completos dia 18/9/2017). Ainda na escola ela contou que o coleguinha empurrou ela e orientamos ela sempre chamar a professora (tia de classe). Foi o que ela fez. Logo que solicitada, a tia fez a mediação do conflito e tudo se resolveu ali mesmo. Até abraço de desculpas teve. (A tia sempre nos conta tudo, até mesmo quando Valentina comete erros). Tão bom ver essa passarinha já vivendo suas experiências e resolvendo situações da vida. Bom ver ela, também, puxando a bolsa (sim, eu acho grande pra ela) sem reclamar. Coisas simples, mas que pra mim tem um valor sem tamanho. Eu gosto do meu trabalho, mas amo mais a minha família. E você o que prioriza? O que cultivamos hoje é o que teremos amanhã. E quando se fala em família, o legado chega a mais pessoas. A sociedade em que vivemos. E você, o que tem feito pela sociedade? #paideverdade #familyfirst #tksgod #obrigadosenhor #paisnoinsta #sosendopai #papainocontrole #papaionline #paidemenina #paidecinco #paitemquefazerdetudo #amordepapaireal #papaimexicano #papaieduca #paternidadeativa #paternidadereal #instapapai #BabyValentina #instakids #justbaby #instafamily #cute #filhos

Uma publicação compartilhada por Pai de Verdade (@paideverdade) em

Leia também: